Usina de pelotização da Vale, em São Luís, vai voltar a produzir em junho

Está previsto para o mês de junho a volta da operação da usina de pelotização da Vale em São Luís. Desativada desde de 08 de outubro de 2012, quando a empresa anunciou o fechamento da unidade do Itaqui-Bacanga. Na época a Vale justificou a paralisação em função da retração da demanda por pelotas no mercado internacional. A crise se estendeu também ás plantas das usinas de Tubarão I e II, em Vitória(ES).

Usina de pelotização do Itaqui-Bacanga

A planta de São Luís foi inaugurada em março de 2002, resultado de um investimento de US$ 408 milhões, e projetada com capacidade anual para produzir 6 milhões de toneladas de pelotas de redução direta. No entanto, em 2007, a unidade atingiu seu pico máximo de produção, alcançando 7,05 milhões de toneladas.

Antes de suspender as operações, em 2012, a unidade já havia registrado outras duas paralisações, como efeito de crises econômicas. Em 2006, a usina passou quatro meses sem operar e teve como impacto a queda de 1,2 milhão de toneladas na produção de pelotas.

Depois, como consequência da crise nos Estados Unidos, em 2008, a Vale programou, no início de 2009, uma paralisação de apenas 12 dias, mas que se estendeu por mais de um ano, em decorrência do agravamento da conjuntura econômica americana. Para evitar demissões, a Vale deu recesso aos empregados.

O primeiro embarque de pelotas produzido pela usina para o mercado internacional ocorreu dia 24 setembro de 2002, quando foram embarcadas 60 mil toneladas no navio Flecha, procedente de Malta, no píer 1 do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira. A carga teve como destino o grupo siderúrgico indiano CIL Caribbean Ispat Limited. O contrato com a Vale previa a exportação de 1 milhão de toneladas de pelotas até o fim daquele ano.